AULA DE FILOSOFIA - IRONIA E MAIÊUTICA DE SÓCRATES

Relembrando a aula passada...
Aulas passadas falamos sobre o método utilizado pelos sofistas, onde aprendemos a importância da retórica e erística no método destes pensadores da filosofia, destacando-se nas figuras de Górgias, Isócrates e Protágoras, o último eternizou a frase que demonstra bem o pensamento sofístico: "o homem é a medida de todas as coisas", dessa maneira demonstrando que através da argumentação e bom domínio do bem falar o homem poderia exercer a polimatia, algo bastante difundido e defendido por estes pensadores. Onde na aula anterior culminamos com um momento de explanação de temas diversos e totalmente fantasiosos que foram brilhantemente defendidos e debatidos pela turma. Hoje pretendemos entrar na Filosofia clássica, na figura de um dos mais ilustres e considerado o pai da filosofia clássica, que é Sócrates, onde com o método da parturição, fez com que os indivíduos percebessem que os conhecimentos que achamos possuir, na verdade não o possuímos...
Iremos agora desfrutar um pouco desse mestre responsável pela criação da Dialética (Ironia) e Maiêutica na filosofia.

IRONIA E MAIÊUTICA DE SÓCRATES
Sócrates considerada pai da filosofia Ocidental.

Sócrates, que viveu no séc. IV a.C., enfrentou o relativismo moral no qual se degenerou a democracia grega, com um método simples: é preciso conhecer para se poder falar.
A democracia pressupunha uma isonomia ou igualdade entre os cidadãos, capacitando-os a exprimir suas opiniões e interesses em assembleia na construção da comunidade. Porém, um escândalo proporcionou a inquisição de Sócrates: o escândalo do lógos. Este perdeu seu vínculo com as coisas (sua consubstancialidade) e era ensinado como uma ferramenta que visa apenas a convencer o seu adversário (tese oposta).
Os sofistas, esses professores mercenários que ensinavam em troca de salários, diziam poder falar bem sobre qualquer assunto, pretendendo, pois, serem portadores de um saber universal. No entanto, a um homem não convém saber tudo (só a um deus). Era preciso, então, mostrar que os discursos desses pretensiosos homens eram discursos de ilusão, que convenciam pela emoção ou imaginação e não pela verdade.
Com isso, Sócrates criou um método que muitos confundem ainda hoje apenas com uma figura de linguagem. A ironia socrática era, antes de tudo, o método de perguntar sobre uma coisa em discussão, de delimitar um conceito e, contradizendo-o, refutá-lo. O verbo que originou a palavra (eirein) significa mesmo perguntar. Logo, não era para constranger o seu interlocutor, mas antes para purificar seu pensamento, desfazendo ilusões. Não tinha o intuito de ridicularizar, mas de fazer irromper da aporia (isto é, do impasse sobre o conceito de alguma coisa) o entendimento.
Porém, sair do estado aporético exigia que o interlocutor abandonasse os seus pré-conceitos e a relatividade das opiniões alheias que coordenavam um modo de ver e agir e passasse a pensar, a refletir por si mesmo. Esse exercício era o que ficou conhecido como maiêutica, que significa a arte de parturejar. Como sua mãe, que era parteira, Sócrates julgava ser destinado a não produzir um conhecimento, mas a parturejar as ideias provindas dos seus interlocutores, julgando de seu valor (a parteira grega era uma mulher que não podia procriar, era estéril, e por isso, dava a luz aos corpos de outra fonte, avaliando se eram belos ou não). Significa que ele, Sócrates, não tinha saber algum, apenas sabia perguntar mostrando as contradições de seus interlocutores, levando-os a produzirem um juízo segundo uma reflexão e não mais a tradição, os costumes, as opiniões alheias, etc. E quando o juízo era exprimido, cabia a Sócrates somente verificar se era um belo discurso ou se se tratava de uma ideia que deveria ser abortada (discurso falso, errôneo).
Assim, ironia maiêutica, constituíam, por excelência, as principais formas de atuação do método dialético de Sócrates, desfazendo equívocos e deslindando nuances que permitiam a introspecção e a reflexão interna, proporcionando a criação de juízos cada vez mais fundamentados no lógos ou razão.

De acordo com o que foi apresentado, responda:
Qual a diferença presente entre as filosofia dos Sofistas e de Sócrates.
O método socrático é dividido em dois momento, explique como ocorria a filosofia socrática.

3 Response to "AULA DE FILOSOFIA - IRONIA E MAIÊUTICA DE SÓCRATES"

  1. Anônimo Says:
    24 de maio de 2013 04:43

    1º) O do Sofistas era que o homem é a medida de todas as coisas, ou seja, através desse bom domínio de bem falar o homem poderia exercer a polimatia que é algo difundido e defendido pelos pensadores; Já Sócrates achava que com o metodo da parturição as pessoas percebessem que os conhecimentos que achamos possuir, na verdade não o possuímos.

  2. Anônimo Says:
    24 de maio de 2013 04:48

    Ítalo e Karoll -

    Respostas:

    1º) É que os sofistas acreditavam saber de tudo e eram considerados sábios, já Sócrates acreditava que devíamos pensar até chegar a uma conclusão de qualquer assunto.

    2º) O primeiro momento que seria seria a IRONIA, no principio significava perguntar, e fazia com que a pessoa ou sofista naquela época,vinhasse a se contradizer e a se perguntar, e assim Sócrates conseguiu fazer com que os sofistas ficassem sem respostas. já o segundo momento que era a MAIÊUTICA fazia a pessoa agir e vesse que não estava correto e começasse a pensar no seu conceito.

    obrigado professor!!! ;D

  3. Daiane e Jaine says:
    24 de maio de 2013 04:48

    Um dos sofistas era que o homem é a medida de todas as coisas,ou seja,dessa maneira demonstrando que através da argumentação e bom domínio do bem falar o homem poderia exercer a polimatia, algo bastante difundido e defendido por estes pensadores.os socráticos era onde o método da parturição, fez com que os indivíduos percebessem que os conhecimentos que achamos possuir, na verdade não o possuímos...

Postar um comentário